terça-feira, 11 de novembro de 2008

Vasculhando Sótãos...







(À menina Flávia, por tudo aquilo que ela nos ensina, ali deitada em sua cama)



Quando o sorriso de uma criança se cala
Enquanto os sonhos escorrem pelo ralo,
E a dor da mãe é de um silêncio tão alto
Que grita mais que a dor do próprio parto;

Quando o viver passa a ser na lembrança
Daquilo que foi ou que poderia ter sido:
O primeiro passo, a primeiro dente caído
O dia de debutante, o dia da formatura...

E que agora foi para sempre apartado
Pelo descaso de uma triste fatalidade,
Pela imprudência de um mal terceiro
Que impunemente negligencia a vida.

Quando tudo isso ocorre dia após dia
Com José, Flávia, Pedro ou Maria...
É para que se aprenda alguma verdade,
Seja de solidariedade ou mesmo justiça:

Temos mãos que podem criar mudanças,
Coração e sentimentos capazes de unir,
E uma mente com a sabedoria necessária
Para aceitar aquilo que nos foi confiado.

Postado por Ramon de Alencar
Post de Odele de 30/11/2007


Nada é impossível de mudar










Desconfiai do mais trivial ,
na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente:
não aceiteis o que é de hábito como coisa natural,
pois em tempo de desordem sangrenta,
de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada,
nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.

Bertolt Brecht
Post de Wind - 24 de Novembro de 2004











Perdida na neblina, forte e densa...
Porém, não se perdeu meu pensamento.
Pois quanto mais distante, mais se pensa,
Alguém que não se esquece um só momento!

Ousei sonhar... (que estava tão propensa!).
Dormindo e acordada, um sonho lento,
Nostalgia a me envolver, suave e imensa,
Levou-me para as nuvens, como o vento.

Procurei uma ilusão no nevoeiro,
Como se eu fosse, a tão doce menina,
Que se perdeu no ar, em algum lugar...

Após o que viveu, não quer se achar...
Amar é ver de novo o sol nascer,
Em meio à espessa névoa, sem querer!

Tere Penhabe
Santos, 05/02/2008

9 comentários:

  1. Já não me lembrava do meu post:)
    O post da Flávia é muito humano e o da terê apaixonado.
    Gosto dos dois:)
    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Eis três recordações que nos trazes e nos mostram, uma vez mais, a tua enorme sensibilidade.
    Se "amar é ver de novo o sol nascer", tu renasces todos os dias.

    ResponderEliminar
  3. Tudo escolhas diferentes mas de um bom gosto tocante de que ressalto o Brecht.

    ResponderEliminar
  4. Wind
    Pois hoje ainda nos sótãos:) e esta tua foto está magnífica!
    Reler foi muito bom e adorei as escolhas que fiz:)

    Peciscas
    São de facto três recordações e tu também renasces todos os dias:)

    Mfc
    Ainda bem que gostaste e Brecht é sempre uma boa escolha:)

    Beijocas e obrigado pelas vossas palavras

    ResponderEliminar
  5. Flávia e Odele são sempre uma inspiração...a luta desta família continua e tão bem se aplica a última frase de sua citação de Brecht..."nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar".Um conceito tão importante especialmente em momentos de incerteza como os que estamos vivendo....Admiro seu jeito de encarar a vida... e pelo seu comentário no "memories" vejo que por coisas duras vc e os seus já passaram.Mas como no ditado francês que eu citei...
    "Tudo passa,tudo quebra,e tudo se banaliza...menos as lembranças..."
    mesmo as ruins ...que sirvam para que possamos melhorar...beijo grande.

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga Fatyly... ter um poeminha merecendo um quinhão do seu rico espaço, é muito mais do que sonha qualquer imaginação, Deus te pague! E Parabéns pelos posts, realmente todos tocantes e sensíveis, bem ao estilo dessa alminha linda que está sempre bordejando no meu coração, com alegria e saudade... beijo grande amiga, no teu coração e alma irmã. Um resto de semana esplendoroso pra você! Com carinhos de além mar...Tere

    ResponderEliminar
  7. Vi
    Flávia e Odele é o maior exemplo de que perante coisas terríveis jamais se deve baixar os braços e por causa delas fui buscar esse poema de Brecht.
    É verdade que tudo passa e o que fica na memória deve ter o tratamento feito inevitavelmente pelo tempo :)

    Tere
    Eu é que agradeço a tua presença aqui:) e pela amizade que nos une há anos é so te agradeço seres a poetisa que és, onde o factor VIDA versus AMOR/AMIZADE está sempre presente.

    Beijocas e obrigado pelas vossas palavras

    ResponderEliminar
  8. Querida Fatyly,

    Este teu post comoveu-me às lagrimas. Pelo belo poema que Ramon fez para Flavia e que releio aqui e pelo teu gesto de carinho para comigo e minha filha.

    Que bonitos os posts de Wind e Terê. Aposto que elas gostaram muito de os rever aqui em teu blog.

    És uma pessoa tão especial Fatyly. Tua sensibilidade faz de ti uma amiga muito querida. E necessária, eu acrescentaria.

    Deixo-te um forte e demorado abraço.

    ResponderEliminar
  9. Odele
    Tu é que és muito especial e muito necessária neste mundo de cabos, porque eu/todos aprendemos contigo.

    Aconchego-me nesse abraço demorado e obrigado eu

    ResponderEliminar