segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Revejo-me nestas imagens...


1- O meu eterno cavalo de pau... e mal o vejo não me contenho! Querem experimentar?






2- Em miúda só andava de calções e pela "precariedade" a roupa feita pela minha mãe era apenas para sair.
Quando cheguei a casa da filha éramos três peles vermelhas:) Alguém sabe como tirar nódoas de amoras?











3- Comprados? nem pensar mas o Umbelino dava-nos as sobras de tubos plásticos e imperava a nossa imaginação!
Lembras-te?




4- Como gostava e hoje compreendo os "bofetões da minha mãe", porque como avó fico aflita por irem de cabeça ao chão ou contra a parede! Mas...que é bom lá isso é!














5- Cada um fazia o seu Baloiço de pneu! Sempre descalça e ferida nos joelhos...assim era eu!

20 comentários:

  1. Belas recordações!
    Também tive uma infânca muito livre e feliz, uma infância de Maria-rapaz, como usava dizer-se, fiz tudo isto, joguei ao arco e ao pião, fiz vindimas e andei em cima dos carros de bois, numa pilha enorme de milho ou de erva acabadinha de apanhar, muitas vezes descalça o que me sabia muito bem e ficaria aqui a contar mil e uma aventuras...mas já chega para se perceber como o contacto com a natureza e a vida ao ar livre é muito importante na nossa formação e às vezes até nas nossas convicções.
    Beijinho para ti, adorei o post.

    ResponderEliminar
  2. Belas recordaçôes.

    Também fiz algumas destas e que bem me soube.

    Não faço hoje em dia porque parece mal:))
    eheheh

    beijocas

    ResponderEliminar
  3. 1- Também tive um ronco de oliveira. Parecia o Zorro montado no meu cavalo de pau.
    2- Experimenta com leite quente; pelo menos nas nódoas de cereja resultou.
    3- Deve ser coisa de moça; nunca consegui rolar o arco nas ancas, mas também nunca me importei. Eu preferia rolar as ancas delas; malandrice!
    4- E eu não levava umas nalgadas? Mas é tão bom saltar na cama.
    5- Tintura de iodo e sulfamidas e pronto(a) para outra.

    ResponderEliminar
  4. Nódoas de amoras? Simples, resolve-se com uma tesoura.

    ResponderEliminar
  5. AH, essas coisas todas que se faziam em criança, continuo a fazer... eternamente criança.

    ResponderEliminar
  6. Como eu me revejo também nesse tipo de imagens.
    Como eu recordo os tempos em que as brincadeiras e so brinquedos eram "artesanais".
    Como eu me divertia com esses utensílios lúdicos, que começavam por dar prazer em construir e depois a utilizar.
    Se calhar, por tudo isso, aprendemos a dar valor a coisas que por vezes parecem insignificantes, mas que são valiosas, porque saem das nossas mãos, da nossa imaginação, da nossa vontade de superar limitações.
    É claro que hoje os tempos são outros, para os nossos jovens, com mais facilidades.
    Mas não nos devemos esquecer e eles devem ser lembrados, de que, um pouco por todo o mundo, ainda há milhões de crianças a quem não resta mais de que improvisar brinquedos com destroços.
    São posts como este que me fazem gostar de ti mesmo a sério!

    ResponderEliminar
  7. Xiiiiiiiiiiiiiii do que te lembraste:))))
    Tudo o que escreveste eu fiz.lololol
    Era o que a minha mãe chamava uma "maria rapaz":))))
    Andava sempre com nódoas negras, mas não era nada comigo:)
    Bendita infância:)))
    Beijocas

    ResponderEliminar
  8. Gostei desta série de factos evocativos!
    Sorri muito... sabias?!

    ResponderEliminar
  9. Recuerdos, Fatyly.

    E sabe tão bem tê-las. Umas boas outras nem por isso, mas valem pelo seu todo.

    Atenção que já entrou aqui um vírus.
    É muito perigoso e não há antivírus que resista.
    Chama-se Mushu.
    Cuidado!!!
    (Gargalhada com eco).

    Já agora mando um beijinho para a querida Amiga Branca.

    ResponderEliminar
  10. trepada em pés de jaboticaba...e jambolão...( frutinha preta que manchava tudo para desespero de minha mãe),bamboleando e pulando amarelinha..assim passei também esta infância que tão parecida nos acompanha à todos pela vida...queridas recordações...Obrigada por trazê-las a tona...beijocas.

    ResponderEliminar
  11. Brancamar
    Eu era chamada por refilona e igualmente maria-rapaz e ainda hoje faço muita coisa do estilo hehehehehe

    Sideny
    pois olha amiga e estou-me nas tintas para o que possa parecer mal e acreditas que hoje estive em cima de um muro a catar figos? Quanto mais pensarem mal de mim, melhor e não entro em propriedade alheia, mas pernadas para a via pública, olarilólé, custa-me ver fruta tão desperdiçada quando há tantos a precisar dela:)
    No outro dia foram pêssegos e a senhora disse-me pode entrar apanhe estes que são melhores:)
    Como não consigo comer toda, divido:)

    Pre-Datado
    O meu irmão é que era o Zorro e euera mais estilo mulher aranha pois conseguia passar-lhe à frente e apanhar os melhores troncos.
    Experimentei e resultou sim senhora. Obrigado pela dica...minha rica camisola:) e já disse à filha!
    Rolar as ancas delas, pois claro e fazes tu muito bem. Mas o engraçado é que talvez habituados aos ritmos africanos o "maralhal" da época todos conseguiam e ai daquele que falhasse...levava um "calduço" loll
    Também eu levei tantas, mas as camas antigas, divãs com colchões de palha, aqueles arames iam logo à vida. Por sermos muitos tinhamos beliches e aí o festival era maior sobretudo na da minha irmã mais velha "a menina mais bem comportada" ficava piursa!
    Hoje aplico isso, mas na época...cinza de carvão, parava de sangrar e bola p'ra frente!

    Mushu
    e passa a ser um ventilador, boa, boa:)))) e julgas que eu não continuo a fazer das minhas? tal e qual e por vezes pago a factura porque fico toda partida lolll

    Peciscas
    eram artesanais e dos pneus aproveitavamos as camaras de ar e serviam de boias:)
    O meu pai nisso foi um grande mestre, por exemplo nos baloiços, arranjava as cordas e agora amanhem-se. Quando vejo a série "Conta-me como foi" revejo-me nos putos" que tinham sempre quem lhes desse algum material, como os pneus:)
    Sim é um facto que os jovens de hoje têm tudo feito mas compete-nos a nós "trabalhar" a sua imaginação e com as minhas netas tem resultado. Por exemplo o meu irmão, autêntico mestre de carros de rolamentos e trotinetes já fez para o neto. Eu não tenho como fazer, mas faço outras coisas:) e nunca esqueci de transmitir o que referes, quer às filhas, quer às netas!

    Beijocas e obrigado por este momento "infantil"

    ResponderEliminar
  12. Wind
    e é tão bm recordar, mas melhor ainda é nunca deixar de ter feito e sabe tão bem. Por vezes ficam a olhar com "cara de parvos" mas quero lá saber do que possam pensar:)

    Mfc
    Ai amigo ainda bem e nem imaginas o que ri enquanto fazia o post, porque não conto tudo...era e sou por demais:)

    Observador
    Recurdos? são de facto mas como já disse continuo a usar muitos destes "recurdos".
    Um virús? AHAHAHAHAHAHAHAH a Mushu é por demais e oxalá que todos os virús fossem tão "hilariantes" como ela:)
    A Branca pela certa irá agradecer:)

    Vi Leardi
    "...assim passei também esta infância que tão parecida nos acompanha à todos pela vida...queridas recordações..." então não é? e há que manter os treinos porque seguem com os netos:)

    Beijocas e obrigado por este momento infantil

    ResponderEliminar
  13. Bem a unica coisa que nâo faço é saltar na cama, senâo lá fica a cama partida, e eu preciso dela:)

    Mas apanhar uns figos ou outra fruta faço sim. faz-me pena minguém a apanhar e se puder estou lá aproveitar-la.

    Adoro figos e estâo carissimos.

    Até andar de baloiço eu ando quando levo uma miuda amiga comigo anda ela e eu.

    e carrinho de rolamentos que o meu filho tinha , uiiii o que eu andei pela minha rua abaixo.

    Sim porque na altura dele os miudos aindam brincavam na rua.
    beijocas

    ResponderEliminar
  14. Querida Fatyly

    Como eram tão simples as nossas brincadeiras de criança...

    Aprendi nesse tempo a conhecer o valor das coisas... e não esqueci, felizmente!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  15. Sideny
    eu vi mulheriiiiiiii que és cá das minhas. Baloiço? detesto os do parque e há dias vi num pinhal um feito de pneu e nem imaginas a festa que fizémos:) que bela tarde:)
    Ainda há miúdos que brincam na rua, nas traseiras dos prédios e nos quintais, indo uns para os dos outros. Aqui na rua, não, já que é tremendamente perigoso, mas nas garagens do meu prédio (alugadas há anos a outros que não moram no prédio) agora brincam 4 netos de dois vizinhos meus quando o mecânico não está. As minhas netas não gostam de ir para lá, já que os putos jogam à bola e têm 9/10 anitos!

    Vicktor
    Nem mais e nunca te arrependas de passar esse aprendizado:)

    Beijocas e que nunca deixemos de ser crianças

    ResponderEliminar
  16. Que boas recordações!

    Fiz tudo isso e muito, muito mais...
    Eu era levada da breca.
    Mas é como dizes, agora nos netos tudo nos assusta.

    Do que te foste lembrar.

    Um abraço, apertado e danado de bom.
    :)

    ResponderEliminar
  17. Mas começo a reparar que neste blog, o pessoal é de se lhe tirar o chapéu.

    Eu logo vi porque fiquei...

    ResponderEliminar
  18. Kao
    fizeste-me sorrir pela tua expressão gratificante "danado de bom" e ainda bem que ficaste, já que quem aqui vem identifica-se comigo e afinal de contas fomos todos levados da breca:)

    Nos netos, assusta-nos de facto porque a responsabilidade é a dobrar principalmente naquele fase de começarem a andar, de meterem tudo na boca...enfim o tempo passa e agora as minhas já fazem outras tropelias:)

    Beijos e há que continuar a ser criança

    ResponderEliminar
  19. Uma ternura este teu post. Imagens que emocionam pelo que representam. A Alegria da infância, o encanto de uma criança.
    Que bom se conseguirmos manter a criança que existe em cada um de nós. Tenhamos a idsde que tivermos.

    Beijos pra ti.

    ResponderEliminar
  20. Odele
    Obrigado e realmente todos passamos por isso e acredita que eu não deixei morrer a criança que há em mim:)

    Beijocas e obrigado pela tua presença

    ResponderEliminar