quinta-feira, 26 de maio de 2016

Vasculhando Sotãos

OXIGENAÇÃO


-AC - Gardunha

Desmontou da bicicleta no cruzamento que dá acesso à Pedra d'Hera, no caminho rural que liga o Souto da Casa a Alcongosta, e prendeu-a com o cadeado no tronco carcomido dum velho castanheiro. Olhou em volta e, por momentos, deixou que a vista se espraiasse na tonalidade outonal dos cerejais que se espalhavam pelo vale do Alcambar, verdadeira sinfonia pinturesca em tons cambiados de verde, amarelo, castanho, laranja... Resistiu à tentação de se perder naquela beleza e iniciou a marcha que a levaria ao Picoto, local privilegiado onde costumava sentir uma serenidade que estava longe de encontrar na cidade.
À medida que subia apercebeu-se que as surribas feitas pelos plantadores de cerejeiras continuavam a trepar a serra com uma avidez feroz, pondo a nu as fragilidades da política ambiental para aquela zona, se é que realmente havia alguma. Aquilo doía-lhe profundamente, pois a mancha de castanheiros e de carvalhos, que caracterizavam a Gardunha, estava a desaparecer a olhos vistos, com o silêncio cúmplice duma opinião pública que nunca se assumiu como tal.
Tentou alhear-se do problema, pois estava ali com outros intuitos, e alargou o olhar. Em volta, para seu deleite, e impregnando a paisagem de uma dignidade nostálgica, os castinçais começavam a mudar de cor, com uma policromia que tocaria a mais indiferente das criaturas. Inês começou a sentir o efeito da atmosfera envolvente e, a pouco e pouco, foi apaziguando os seus pequenos demónios interiores. Nem a carcaça duma velha máquina de lavar, a cinco metros do caminho, lhe conseguiu desfazer aquela sensação reconfortante. Os diabinhos do seu descontentamento ainda deitaram a cabeça de fora, tentando explorar a pouca fé que lhe restava na espécie humana, lembrando-lhe a notícia sobre os detritos perigosos que alguém, com certeza com as mãos muito bem untadas, andava a depositar na Serra dos Candeeiros. Mas Inês estava a entrar no seu território, e ali era-lhe relativamente fácil resistir a negativismos. Continuou a subir, sentindo-se cada vez mais ligada à paisagem.
Quando chegou ao Picoto, o seu refúgio de eleição, trepou os rochedos e instalou-se no cume. À sua frente tinha a majestosa Estrela, o enorme gigante adormecido, e entre as duas serras espalhavam-se os promissores campos da Cova da Beira, iludidos durante décadas com a promessa de um regadio que já usava bengala carunchosa. Assomando dos lados de Belmonte, vindo duma Estrela generosa em recursos hídricos, o Zêzere era um arremedo do rio cheio de vida de há uma trintena. Vítima de uma mistura explosiva - ignorância, incompetência e ganância - em poucos anos transformara-se num rio moribundo, suscitando nas populações ribeirinhas a nostalgia dos refrescantes banhos estivais e de frutuosas pescarias que patrocinavam animadas tertúlias. Reparou, sem surpresa, que o casario entre o Fundão e a Covilhã era cada vez mais intenso, trazendo à liça da memória as previsões daqueles que auguram, a médio prazo, a formação de uma pequena metrópole.
Inês recostou-se sobre um grande bloco de granito e deixou-se invadir pela quietude do local. Quando ali estava os pequenos dramas da sua vida relativizavam-se, como se tudo fosse ínfimo perante a transcendência da vida. Acabara há pouco tempo a relação com o Fernando, e precisava de oxigenar o cérebro. O antigo companheiro, que tanto prometera nos tempos de enamoramento, fora uma desilusão. No final, quando tudo se resumia a nada, Fernando refugiara-se no sofá da sala, base da sua central de zapping. Pôr-lhe as malas à porta, mais que o corolário de uma relação falhada, fora o sinal de que continuava a lutar contra a resignação, que não desistia de encontrar o seu lugar no mundo.
O espírito do local invadia agora Inês na sua plenitude. Deixou que a alma absorvesse aquela amálgama de tranquilidade, sentindo um equilíbrio interior que a fazia estar de bem com o mundo, e deixou que a noção de tempo se fosse esvaindo, a pouco e pouco, até desaparecer por completo.
Enquanto descia, liberta dos seus diabinhos, foi enchendo a pequena mochila de castanhas. Juntamente com uma boa jeropiga, seriam um excelente pretexto para, ao serão, juntar meia dúzia de amigos. A felicidade, estava cada vez mais convicta disso, também passa pelo usufruto dos pequenos prazeres da vida.

DE: AC - Blogue INTERIORIDADES - 26/11/2011
(mudei a foto porque para mim esta é tão bonita:)

*****************************************************************

Faz o que eu digo mas não faças o que eu faço



Ainda sou do tempo em que o Benfica apenas tinha jogadores portugueses. Mesmo que, em algumas épocas futebolísticas, o contingente africano constituísse mais de meia equipa. Hoje, graças à globalização e a outras parvoíce por demais conhecidas, já não é assim. Infelizmente. Muitos são os jogos em que, dos onze que entram em campo para representar o glorioso, apenas um ou dois nasceram em terras lusas.
Neste contexto não posso deixar de considerar absolutamente ridícula a adesão do Benfica à campanha "COMPRO o que é nosso", que visa promover os produtos portugueses. Uma instituição que, ano após ano, compra os passes de dezenas de atletas estrangeiros, das mais variadas modalidades, preterindo claramente aqueles que são formados em Portugal e que, salvo raras excepções, apresentam uma qualidade futebolística idêntica ou superior e um preço muito mais em conta quando comparado com os milhões pagos aos que se trazem de fora, não me parece ser a entidade indicada para transmitir alguma credibilidade à campanha que se pretende promover.

DE: KK do blogue Kruzes Kanhoto - 18/11/2010

*****************************************************************
Páre para pensar



Muitas pessoas vão olhar e simplesmente ignorar, mas os que têm bom coração vão compartilhar para alertar os outros. Enquanto se desperdiça comida, existem 11 mil crianças que morrem por causa da fome todos os dias! Por isso abra os olhos e comece a dar valor ao que tem, existem pessoas que não tem nada a que possam dar valor!

DE: Observador do blogue REFLEXOS - 22/05/2014

6 comentários:

  1. A pesquisa deu óptimos resultados.
    Beijocas, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu antes de começar a comentar num blogue leio de fio a pavio e vou anotando "temas que acho interessantes...é o caso:)

      Beijocas e obrgado

      Eliminar
  2. Gostei muito da 1ª história:)
    A 2ª infelizmente continua a ser verdade, mas este ano o Benfica vai vender muitos jogadores, não sei como ficará.lololol
    A 3ª é uma verdade dramática e de facto devemos pensar antes de nos queixarmos, mas penso que somos egoístas e em caso de aflição não pensmos nos outros:)
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo inteiramente as tuas palavras.

      Beijocas e obrigado

      Eliminar

  3. Frequentar esta Cubata proporciona-me sempre enorme satisfação. Ver por aqui um humilde texto com a minha assinatura deixa-me um pouco sem nexo, mas é evidente que gostei muito do miminho. Obrigado, Fatyly. :)

    Um bom domingo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era hábito fazer e lembrei-me que já há muito que não fazia. Vai daí pego no papel dos apontamentos e fiz. Deixo sempre um aviso ao dono do espaço e caso não gostem, respeito e retiro.

      Este teu texto é uma delícia...que reeditaste por duas ou três vezes...mas alterei a foto por achar esta lindissima:)

      Fico contente por teres gostado e não tens que agradecer:)

      Bom domingo

      Beijocas e obrigado

      Eliminar