sábado, 5 de março de 2011

Nos teus brilhantes 81 anos...obrigado mãe!

A minha mãe escreveu e ainda escreve sobre as suas memórias.
No primeiro foi tudo sobre a sua infância. No segundo foi do namoro ao nascimento e infância dos cinco filhos e agora está no terceiro que não faço a mínima ideia sobre o que seja.

Transcrevo na íntegra uma parte de uma vinda a Portugal de que não me recordo rigorosamente nada, na aldeia de uns familiares. A partir do regresso, lembro-me perfeitamente:

(...) era uma terra pequena mas tinha gente rica com casas apalaçadas! Perto da Igreja que dava para o largo, o irmão da MR tinha uma taberna, tudo muito rústico! Conheci todos os primos e até fui madrinha de casamento de uma.
Foi lá que fui pela 1ª. vez a uma desfolhada, feita à noite, tão giro e preparamos as folhas do milho para o colchão da noiva.
Dias depois "surpresa total", descobri que estava grávida, meu Deus como fiquei! A minha tia só me perguntava o que eu tinha e eu nada dizia! Chorava às escondidas porque não estávamos nada à espera. Por fim contamos e todos deram-nos os parabéns, vinha o 4º.
(...) todos gostavam dos meus filhos, mas mais da Fatyly por ser tão irrequieta e atrevida e o irmão sempre atrás dela. Os dias foram passando e até comprei a minha "Sagrada Família", que hoje tem mais de cinquenta anos. Os garotos andavam felizes a correr tudo e a minha mais velha sempre agarrada às minhas saias, ao contrário do X e da Fatyly que não paravam um segundo.
As carroças carregadas de hortaliças, leite, pão, etc. iam parando ao som de uma cantilena deles para as pessoas comprarem o que quisessem. Pois é... lá ia o X e a Fatyly a correr e de tão curiosos faziam sempre o mesmo: espreitar para baixo dos machos, admirados com o que viam e eu fugia para dentro de casa a rir mas envergonhada com o sucedido. A tia X achava imensa graça à curiosidade dos dois marotos.
À mesa o Sr. Padre David (também meu primo) chegava a dar à Fatyly 2 tostões, para ela estar sossegada, pois nada lhe escapava e passava o tempo a pedir ao primo Luís que tirasse os óculos escuros para lhe ver os olhos. Ele estava cego e como não tirava, ela ia por detrás e puxava-lhos e por vezes até lhe escondia a bengala. Era uma risota, mas eu ralhava muito com ela.

Voltamos a Luanda num navio e como foi longa a viagem.

Todos se portaram lindamente mas a Fatyly até conquistou o Sr.Manuel que lhe dava o que ela mais gostava: um prato cheio de ovos mexidos...e por lhe acharem imensa graça, deixavam que ela andasse sempre com o colete de salvação!
(...)
A 23 de Março nasceu outro rapaz com 4,500kg, lindo e com olhos azuis, (o meu João que me deixou vinte e um anos depois. Falarei disso mais tarde).

Os irmãos ansiosos foram a correr ver o bebé, menos a minha Fatyly que só entrou no quarto dois dias depois. Não percebi o que se estava a passar, lá foi devagarinho ver o irmão que estava numa alcofinha...não disse nada, não se manifestou e eu sem saber o que fazer, puxei-a para junto de mim, ficou melhor...mas... seriam ciúmes?
A minha parteira disse que era normal e para não me preocupar, mas se fosse hoje tinha que ir a correr "com a menina" para um PSICÓLOGO!!!
Passou-lhe e depois só queria pegar no irmão e ajudar a dar banho! Um dia sem nos apercebermos levou-o para o seu carro de rolamentos e lá estava encantada a passear o irmão pelo quintal!

Tinha dois casais lindos e todos diferentes, mas a dupla X e Fatyly eram conhecidos de todos do nosso bairro.(...)

Palavras minhas:
Uns anos depois nasceu a minha irmã mais nova!

16 comentários:

  1. Gargalhadas, eras fresca, eras! lololol
    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Wind
    olha que quando li o livro eu nem queria acreditar porque não me recordo da vinda a Portugal e faço ideia o que na aldeia não devem ter falado sobre mim. Perguntei-lhe e ela diz que não, que de facto fazia coisas que não lembravam ao diabo, mas o meu sorriso e gargalhada fazia com que ninguém ralhasse só ela e claro o meu pai:)

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  3. Observador
    Ai tu nem me fales e há muitas mais, encomenda? é pouco lolll

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  4. Tás de parabéns...
    A minha vai fazer 87...
    Somos uns felizardos!

    ResponderEliminar
  5. Parabéns para tua maezinha. 81 anos! Que ela continue firme e forte!

    Que beleza tua mãe escrever as memórias. Quantas e quão preciosas lembranças!

    E como eras sapeca Fatyly! Mas olha, segues conquistando as pessoas com tua imensa simpatia. Continuas a ser uma querida sapeca.

    ResponderEliminar
  6. Mfc
    Somos de facto e a minha fará 82 em Outubro.

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  7. Odele
    Felizmente continua bem e autónoma e como disse ao Mfc fará 82 anos em Outubro, mas desde o ano passado que resolveu escrever nos chamados "livros brancos" as suas memórias. Os originais, ou seja com a sua própria letra são para a minha filha mais velha e fez fotocópias encardenadas para quem quis ficar com uma cópia.
    De facto sempre fui sapeca e felizmente que fui, sou e continuarei a ser:):):):)

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  8. Bem bonito...Sim senhora.
    Devias ser a melhor prenda da região.
    Eu também não fui lá muito bom, e nesta altura do carnaval, fazia as maoires patifarias a todos aqueles que se mascaravam.
    Recordar a mãe!!! Que lindo, pois a minha se fosse viva teria hoje 111 anos. O meu pai faria 115.
    Grato pela pasagem em meu espaço. Feliz carnacal. Para mim , é uma festa horrorosa, detesto pura e simplesmente.

    ResponderEliminar
  9. eras bem conhecida pelas tuas diabruras.
    dois tostões? meu deus há que tempos
    kis :=)

    ResponderEliminar
  10. Que bons frutos sua mãe teve e do que orgulhar-se!! Toda a sua energia era apenas uma questão de ter bastante saúde! Que Deus a mantenha!! Sua mãe deve mesmo continuar a escrever - escreve muito bem! Que bom vocês terem essas memórias registradas! Beijus,

    ResponderEliminar
  11. Espaço do João
    e que rica prenda :))))) e a minha mãe, felizmente ainda autónoma e com uma cabeça melhor do que a minha, entretem-se com o que mais gosta: escrever, ler e bordar:)
    Também detesto o carnaval, excepto ver os garotos tão felizes nas suas vestes mas a passearem, e algumas festas culturais das nossas aldeias, longe bem longe de corsos, de raparigas a tremelicarem em vez de dançarem e de outras coisas mais:)

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  12. Avogi
    era mais conhecida que a farinha trinte e três:):):) e como disse no início não me recordo dessa passagem por Portugal e dos dois tostões:)
    Devia ter os meus 4 anitos, mas já me recordo do regresso à minha terra e estivémos cá, segundo ela...um mês e tal!

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  13. Luma Rosa
    Subscrevo totalmente o teu comentário e a minha mãe é muito mãe galinha preocupada com os seus pintos e com o enorme sofrimento sempre presente com a perda do meu irmão João.
    Felizmente é autónoma, está na sua casinha onde faz tudo, saí comigo e levo-lhe as compras e ocupa-se muito com a ler, escrever e bordar:)

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar
  14. Os meus parabéns a tua mãe, com votos de muita saúde.
    Quanto a ti, eras fresca, eras!
    Fazes-me lembrar alguém...
    Um abraço e bom domingo.

    ResponderEliminar
  15. Kao
    já lhe dei e de facto eu era fresquissima:):):):)

    Beijocas e obrigado

    ResponderEliminar