domingo, 6 de março de 2016

BOA SEMANA







17 comentários:

  1. Existe uma canção do Pedro Abrunhosa da qual não sei a letra, nem o contexto, mas fixei um verso que faz todo o sentido: "Eu estou aqui." E estou, Fatyly!

    Grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente há coisas inexplicáveis porque em alturas bem conturbadas não consigo ouvir música. Não sei dizer a razão, mas hoje enquanto fazia o post tive a companhia do Pedro Abrunhosa e ouvi esta várias vezes. Que coincidência...e...

      Eliminar
  2. AC fala de Pedro Abrunhosa.
    É esta a letra da canção.

    Escrevemos um nome no ceu
    Com mil passos de dança por dar
    E mostraste-me um mundo so teu
    Com promessas de ir e voltar
    E eu estou aqui
    Eu estou aqui
    E eu estou aqui
    E eu estou aqui

    Trouxeste tanto que não querias contar
    Sobre cidades que há no fundo do mar
    E eu estou aqui
    Eu estou aqui

    Estamos tão perto de estar tão longe
    Como dois loucos na madrugada
    Se me dás tudo ficas com nada
    E abrem-se janelas em nós

    Acendi as palavras na pele
    Em tatuagens brilhantes de azul
    E pousaste-me um beijo fiel
    Em telhados de vento e de sul

    E eu estou aqui
    Eu estou aqui
    E eu estou aqui
    Eu estou aqui

    Trouxeste tanto que me querias contar
    Sobre as cidades que há no fundo do mar
    E eu estou aqui
    Eu estou aqui

    Estamos tão perto de estar tão longe
    Como dois loucos na madrugada
    Se me dás tudo, ficas com nada
    E abrem-se janelas em nós

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oportuníssimo, caro Observador. Obrigado.

      Eliminar
    2. eis que surge a letra que sei de cor.

      O meu maior obrigada aos dois e acreditem que me soube bem a vossa companhia:)

      Beijocas

      Eliminar
  3. Tudo verdade o que escolheste e tudo verdade que estamos todos aqui para ti:)
    Força amiga!:)
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que sim amiga de longa data porque os amigos sentem-se nas horas em que vamos abaixo. Hoje soube-me bem vir até aqui e soube-me bem a tua companhia.

      Beijocas e obrigado

      Eliminar
  4. Presumo que, no meio das dificuldades, há boas perspectivas no horizonte.
    E desejo que assim seja.
    Beijocas, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem de haver amigo...tem de haver"

      Beijocas e obrigado

      Eliminar
  5. Ola

    Estou aqui tambem e num pulo estou ai se precisares de mim:)

    Vai tudo correr bem.

    beijocas

    ResponderEliminar
  6. Lembro-me que quando o Ayrton Senna morreu, os brasileiros do colégio onde eu estudava tiveram direito a uns feriados, de "luto"... Já em relação ao Martin Luther King, que no lugar de lutar pela igualdade de direitos para os negros advogou a introdução de quotas e privilégios para eles, nem ele próprio seguiu em frente como ele dizia...

    Beijinhos, que a semana já vai a meio! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado amigo e um resto de uma boa semana.

      Beijocas

      Eliminar
  7. Boa noite, Fatyly,

    Tenho pensado imenso em ti, na Mãe, em como estarão a correr as coisas.
    O facto de não ter estado tão presente não significa, nem esquecimento nem menos interesse, longe disso, mas a verdade é que não sei como as coisas estão a evoluir.
    Desejo, mas do coração, que a Mãe esteja a recuperar bem, e que tu, Mulher Coragem, continues com essa força que devia servir de exemplo.
    Um beijinho amigo para as duas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A evolução das coisas amiga estão a processar-se devagar e eu sempre presente para que nada lhe falte nesta nova fase tão difícil da sua vida, porque mantêm a sua plena lucidez.

      Ela, católica como é, aceitou e resignou-se porque era de todo impossível tratar dela na sua própria casa. Eu ainda ando a gerir a minha revolta emocional e também as visitas ao lar dos amigos e vizinhos. Para já ela só quer a da família. Queixa-se que não tem com quem conversar mas sempre que apareço de surpresa está a falar com "as colegas de combate":) Claro que compreendo o que ela diz...sempre lidou e conversou com gente mais nova tal como quatro vizinhas que tinha. Está bem instalada, nada lhe falta...mas o nosso canto é sempre o nosso canto. A minha filha chegará amanhã e nestes dias que tenho estado de SOS-Avó-e-genro, vamos visitá-la porque dá para ir a pé e ou de carro. Ontem fui com a neta mais velha e a colega e amanhã irei com a neta mais nova e a colega. Estes pequenos nadas aquece-lhe a alma.
      Hoje começará a fisioterapia mas já me disse que não irá ter a mesma mobilidade (já pouca) que tinha. Levanta-se, assenta-se sozinha, e ao tentar andar ao quinto passo a dor no joelho doente é tremenda...e quebra.
      Vamos a ver e o tempo é o melhor remédio e também não se pode fazer muito mais a nível de esforço devido ao pacemaker. Irá à consulta no hospital dia 5/4 e se lhe derem "alta" em termos de esforços...aí a sua garra que é tremenda, voltará e assim mover-se no lar e jardim conforme lhe apetecer. Também iremos buscá-la para dar uma volta e ou almoçar e jantar, ou seja arejar!
      Agora voltar à sua casa não quer e é mesmo para dar continuidade ao assunto, até à sua venda.

      A vida dá muitas voltas e sempre aprendi a ler a minha vida, nas costas dos outros e conforme ela diz...há gente com vidas bem piores.

      Beijocas e obrigado



      Eliminar
  8. Olá Fatyly! Hoje tive um bocadinho para a visitar e surpreendi-me com o que li. Desejo que tudo se vá compondo dentro do possível para o bem de todos vós e especialmente da sua mãe.
    Como a percebo! A minha mãe partiu vai fazer precisamente 6 anos e sei bem o que foi a minha vida até ao seu fim. Não temos maneira de apagar o sofrimento a vê-las sofrer e a perder as faculdades.
    Neste momento estou a ter um problema com a minha tia, sua irmã, que nos seus 88 anos deu há pouco mais de um mês uma queda e, embora restabelecida dentro do possível, vai dar entrada num lar para não continuar na sua casa sozinha. Embora eu lhe dê todo o apoio possível ela está a ficar sozinha de noite o que me preocupa muito. Como anda com o auxílio de uma canadiana, vou tentar que vá a casa e continuarei a dar-lhe o apoio que lhe tenho dado até aqui: vou buscá-la ao fim de semana e levo-a a sair, e quando vou para a minha casa de Sintra, levo-a comigo.
    Vamos ver como vai ser a sua adaptação.
    Estamos num mesmo barco e não há dúvida que nos destinaram estas missões.
    Um beijinho de amizade e que Deus lhe dê muita força que é também o que peço para mim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizes tudo e sobretudo "que nos destinaram estas missões". A minha mãe está a adaptar-se ao lar e já resolveu na sua cabeça o "desfazer da sua casa que era o seu mundo". Julgo que irá ter mais visitas familiares no lar do que em casa...porque sim! Ontem a minha filha mais velha, genro e netas conseguiram levá-la a ver o mar, passear, arejar e lanchar fora. Estou a tratar das roupas e de um mundo "cheio de coisas" que nada me dizem porque o único bem que ainda preservo é a minha mãe até que Deus o queira. É de todo impossível voltar a sua casa devido aos 4 andares sem elevador, mas depois da Páscoa vou levar as duas amigas e vizinhas que tanta companhia lhe fizeram. Os outros têm carro e irão visitá-la quando entenderem.
      A força dela no que toca "a aceitação" é tremenda bem como a sua fé. Eu já acalmei um pouco a revolta porque tendo ela já passado o que passou...não merecia, mas o tempo me dirá o porquê?

      Beijocas e obrigado

      Eliminar