quinta-feira, 19 de abril de 2018

Calendário de greves quase todas com um denominador comum!



1- Os trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP) vão realizar uma greve parcial no dia 10 de maio e uma total em 11 de maio. (quinta e sexta-feira)

2- Está entregue o pré-aviso de greve. Médicos param de 8 a 10 de Maio (terça, quarta e quinta-feira)

3- Trabalhadores não docentes da UGT em greve a 4 de Maio (sexta-feira). Sindicatos da CGTP também fazem greve no mesmo dia.

4- Função Pública com greve marcada para 26 maio(sexta-feira)

25 comentários:

  1. Faço minha a pergunta do Observador. Com a devida licença claro.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Pois... cada qual sabe de si... nesta caso quem faz as greves.

    Hoje:- O que a alma quer dizer.

    Bjos
    Votos de uma boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim e isso respeito, embora todas elas não "prejudiquem a entidade patronal" mas sim quem precisa dos seus serviços, como por exemplo os comboios para ir trabalhar. Depois onde e com quem ficam os filhos? Complicado. Agora as muitas já feitas e esta pequena amostra, pergunto: sexta-feira? Para mim significa fim de semana prolongado porque ao sábado e domingo está tudo fechado.

      Beijos

      Eliminar
  3. Mas não é sempre assim?
    Também acho que se "compram" adesões às greves criando condições de fim de semana prolongado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre foi assim e como têm o trabalho garantido brincam com todos que não o têm. Como é óbvio os tais sindicatos criam as condições de fim de semana prolongado. Conheço alguns que não fazem mas quando chegam ao local...não têm condições para trabalhar.

      Beijos

      Eliminar
  4. Dá jeito um fim-de-semana alargado, não dá??
    Beijocas, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que dá e pelo que já está agendado para Maio serão três e sei bem a confusão que é porque enquanto trabalhei e não havia comboios tinha de chegar nem que fosse a pé, assinar o ponto e por vezes sair com instruções da administração, para a pessegada da volta. Tudo para não me descontarem um dia e agora multiplica isso por milhares de pessoas. Os meus ainda me têm a mim mas quantos não têm como deixar os filhos? E depois os sindicatos apregoam aos sete ventos que a adesão foi bem grande.

      Beijos

      Eliminar
  5. Vivemos, que eu saiba, num país sinda em democracia, logo, todos têm direito a fazer greve. E uma greve é isso mesmo. Prejudicar alguém!Claro que feita numa 6ª feira para mim, perde um bocado as convicções.
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim que todos têm esse direito, mas prejudicam muita gente e para mim o ser sempre ou quase sempre a uma sexta-feira é algo que me tira do sério. Enfim é o país que temos e sei de alguns jovens que perderam o seu trabalho devido à falha dos transportes porque ninguém lhes deu um justificativo. Claro no privado porque no público a coisa é diferente.

      Enfim... é para esquecer!

      Beijos

      Eliminar
  6. É a prova de vida dos sindicatos...Praticamente todos dominados por comunistas e outros esquerdelhos que os usam - aos sindicatos - para a defesa de interesses de toda a ordem que raramente coincidem com os interesses dos trabalhadores. Mas isso, claro, sou só eu a dizer. Até porque em quase trinta e oito anos disto ainda um aprendiz nestas coisas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizes quanto à vida dos sindicatos que "para a defesa de interesses de toda a ordem que raramente coincidem com os interesses dos trabalhadores". Conheço vários que dizem o mesmo e não fazem greves, então porque é que muitos trabalhadores fazem greve? Sinceramente!
      Mas é assunto que já não me diz nada mas chateia tanta hipocrisia. Oxalá que ao menos esteja um dia de bom para que tenham mais umas mini-férias:)))

      Beijos

      Eliminar
  7. "...então porque é que muitos trabalhadores fazem greve? Sinceramente!" Depois lembra-me para eu te dizer quantos trabalhadores da minha entidade patronal aderiram à greve de 26 de Maio. Se estiver ao nível das anteriores, com sorte, serão aí uns dez. Em cerca de trezentos, esclareço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito perfeitamente mas se forem 10 trabalhadores pelos milhares organismos fazem um belo ramalhete e em muitos casos os que ficam têm de fechar. Com isso e ou por causa disso é que os sindicatos mentem nos números porque perante os que dizem as comissões de trabalhadores.

      Vamos aguardar para ver porque até lá...muita água irá correr debaixo da ponte!

      Eliminar
  8. Brasil é uma extensão de Portugal ou Portugal uma extensão do Brasil, na maneira de ser dos políticos, parece. Aqui muitos se fantasiaram de socialistas e carregaram o baú só para eles. Outros se isolam do eleitorado ao deleite do poder... É triste! Mas é a verdade! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo inteiramente e digo o mesmo: "É triste mas é verdade".

      Um abraço

      Eliminar
  9. Calma, Fatyly. O objectivo duma greve é incomodar, e quanto mais incomodar, melhor. Já pensaste que, se os grevistas tivessem em conta os interesses dos lesados, nunca fariam greve? É que ela só se faz sentir se lesar alguém. Bem sei, quem se lixa sempre é o mexilhão, mas nestas coisas nunca há inocentes. E mais: as greves aparentam estar ao serviço dum determinado calendário político (e concordo com esta ideia) mas no dia em que não se puder dar manifesto à indignidade e ao descontentamento, então muito mal vai a gente, podes crer. É que a força está toda do lado de lá, seja qual for o prisma de análise. Ah, e eu não sou nada dado a greves, confesso.
    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho calma e compreendo tudo o que dizes, mas há milhares de trabalhadores sobretudo jovens cujos patrões pegam por tudo e por nada e fora com eles. Por exemplo: a CP deveria dar um justificativo dos atrasos ou da total impossibilidade de ir e na maioria das vezes como as estações estão fechadas quem justifica? Não há ninguém e muitos não têm carro e daqui não há autocarros para Lisboa.

      Conto o que uma vez fiz quando fizeram 25 dias de greves e ia de autocarro disponibilizados a custo zero já não me lembro por quem. Apanhava às 6,30h e chegava ao Marquês três horas e meia depois. Ia a pé até aos Restauradores. O administrador autorizou-me a sair uma hora mais cedo para a confusão da volta. Imaginas como andava, mas disse com quem trabalhava que ia protestar e que poderia ir de "vacances" para uma cadeia.
      Voltados da greve colei um autocolante no passe "ESTOU DE GREVE" e não comprei. O meu grupo de 18 pessoas começaram a alinhar e nem imaginas as vezes que o "pica me levava ao chefe no Rossio":))) Já me conheciam e disse movam um processo que quiserem mas só compro novo passe quando perfazer os dias que me lixaram a vida. O certo é que andei um mês sem passe nem bilhete!!!!!

      Que lesem a entidade patronal, por exemplo não cobrarem bilhetes ou até os passes...à pois é...isso não dá porque quase sempre as greves são depois do dia 1 e com o dinheiro em caixa não perdem o vencimento. Depois há dezenas de sindicatos...olha já me cansei demais nos longos e penosos anos de muito trabalho.

      Beijocas

      Eliminar
    2. :)
      Nunca fico indiferente aos teus argumentos, eles têm uma energia única.

      Um beijinho, Fatyly :)

      Eliminar
  10. Essa teoria, velha e revelha que revolta a alma mais calminha, que as greves têm sempre que prejudicar alguém, sempre me tirou do sério.

    O que é que a entidade patronal de muitos grevistas se preocupa com o transtorno que as ditas fazem no dia a dia de cada um de nós que NÃO temos culpa nenhuma? Haverá alguém que me saiba explicar?

    Com a greve dos transportes, por exemplo, quem era/é prejudicado somos todos NÓS, que passamos horas presos no trânsito. O patronato? Ui, mas que olha que prejuízo têm! Querem uma sugestão senhores grevistas querem? Que tal trabalharem e não cobrar? Há muitos passageiros que têm passe? Há, mas tamvém há outros que não têm.
    Os médicos? Terão os desgraçados dos doentes culpa dos problemas desses profissionais? Têm razão? Podem ter, mas perdem-na toda quando o alvo atingido são aqueles que não têm responsabilidade no assunto e, ainda para mais. Na saúde as coisas são mais complicadas mas não haverá outra forma de esses profissionais manifestarem o seu descontentamento?

    É isto, a democracia? Ai é? Não, isto é um tremendo desrespeito, isso sim!
    Ah, e tal, mas se não houver prejudicados a greve não resulta! Qual quê, que ideia é essa?
    Desculpa, Fatyly, mas este discurso é mais velho que a "Sé de Braga", com o devido respeito pela dita.

    A sexta-feira e a Primavera? Porque será que é ambas são tão queridas dos grevistas?

    Outra sugestão. E se fossemos todos para a rua gritar em prol daqueles que ainda não têm voz, os jovens, uns mais qualificados do que outros, mas todos a quererm ter o seu emprego, organizarem as suas vidas? Esses fazem greve como, visando quem?

    E os desgraçados que também trabalham por conta de outrém, mas que trabalham sem horário e recebem uma ninharia muitos deles na agricultura, na construção civil, etc.?

    Haja paciência, muita paciência! Paciência e clarividência, coisa que falta a muitos.

    Desculpa o "arrazoado" mas, caramba, esta gente faz perder a cabeça a qualquer um.

    Vou ali respirar fundo, vou, vou!:(
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. A agressividade é como o tabaco: corrói-nos.

      Eliminar
  11. Rectificação no que refere aos doentes:

    "... e ainda para mais estão doentes, indefesos..."

    Detectei outras gralhas das quais peço desculpa, mas esta "estória" sempre me deixou assim, numa fúria sem nome.

    ResponderEliminar