terça-feira, 14 de abril de 2015

Líder do PODEMOS acusa Durão de ser o "arquitecto do desastre" económico português

Livro do espanhol Pablo Iglesias, de 37 anos, critica os governos europeus pelo desmantelamento do Estado Social. "O que basicamente aconteceu é que se deslocou a carga da crise dos bancos para os cidadãos".

O ex-primeiro-ministro Durão Barroso foi o "arquitecto do desastre" económico português, acusa Pablo Iglesias, líder do partido espanhol PODEMOS, no livro "Disputar a Democracia" que vai ser lançado em Portugal.

Para Iglesias, a nomeação do "anfitrião" da Cimeira dos Açores (Março de 2003), "o antigo maoísta Durão Barroso", como presidente da Comissão revelou a submissão europeia aos Estados Unidos e a humilhação de todos aqueles que disseram que o "antibelicismo retórico" durante os ataques do Iraque era a base da identidade europeia.

O líder do PODEMOS refere que "o arquitecto do desastre económico português (Durão Barroso) foi proposto pelo pacifista Blair em 2004", acrescentando que, o "recém-nomeado" foi de férias no iate do armador grego Spiro Latsis, que pouco depois receberia uma ajuda de 10 milhões de euros aprovados pela Comissão Europeia.

O político espanhol recorda que, na sequência da crise bancária e do mercado imobiliário norte-americano, desde 2006, milhares de pessoas em Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha perderam empregos e foram desalojados das casas onde viviam por não poderem garantir o pagamento das hipotecas.

No seu livro, Pablo Iglesias critica os governos europeus pelo desmantelamento do Estado Social. "O que basicamente aconteceu é que se deslocou a carga da crise dos bancos para os cidadãos".

"Os resultados das políticas de austeridade em Espanha, são assustadores. Em finais de 2013 havia mais de seis milhões de desempregados, dos quais mais de um terço não recebe nenhum tipo de prestação", escreve Iglesias, referindo-se igualmente ao aumento da emigração entre os jovens licenciados e a situações de fome em Espanha.

Assume-se como "enfant terrible"
Em Espanha, o PODEMOS ataca o "golpismo brando" dos conservadores do Partido Popular e dos socialistas do PSOE, que através da reforma constitucional de 2011 revelaram que partilham o mesmo projecto político, sobretudo em questões europeias e orçamentais.

"Os necessários acordos entre os dois grandes partidos do regime político espanhol revelam que o regime está em crise e que uma das suas vítimas, como ocorreu na Grécia pode ser a social-democracia" (página 171), escreve Iglesias.

Professor universitário, político, escritor, apresentador e comentador de televisão, Iglesias, 37 anos, foi eleito eurodeputado em 2014 pelo PODEMOS sendo actualmente o secretário-geral do partido que reclama ser "alternativa" ao estado da política espanhola.

O dirigente analisa a história contemporânea espanhola e europeia; as causas da crise financeira; as soluções para a criação de uma nova ideologia e assume-se como "enfant terrible".

O livro "Disputar a Democracia- Política para tempos de crise", (Bertrand Editora) chega as livrarias portuguesas no dia 17 de Abril.

de: RENASCENÇA

ALGUMA DÚVIDA OU NOVIDADE? PARA MIM NÃO...E CONCORDO PLENAMENTE!!!!

18 comentários:

  1. Podemos acreditar no Podemos. Sem margem para dúvida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O resumo feito sobre o livro...concordo em absoluto!

      Eliminar
  2. Os espanhois dizem mal de tudo o que seja portugues. Será que desta vez acertaram?
    Kis :=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e os portugueses dizem ainda pior dos espanhóis. Gostaria de ler o livro e este pequeno resumo é verdadeiro e acho que acertou em cheio!

      Eliminar
  3. Não concordo. Aliás um tipo formado em "Ciência politica" ou lá o que é, não se me afigura capacitado para uma análise desta natureza. Isso envolve conhecimentos financeiros e económicos que ele não tem. Até porque o homem - o Barroso que, acredito, seja uma nulidade - governou o quê, um, dois anos?! Será culpado como é o Cavaco, Santana, Guterres, Sócrates ou os que lá estão agora. Mas, se calhar até podia ir mais atrás e lembrar-se do Soares e da camarilha comunista que rebentou com o país em 1975.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que não sei se este jovem não terá conhecimentos financeiros e económicos.
      O que ele diz de Barroso é verdade Durão deu à sola para a UE deixando o país a naufragar assim como Guterres.
      Em 10 anos de UE o que fez?
      O mal já vem de longe. Com Soares tivemos a dantesca crise de 80 a 86 e também com ajuda externa...melhor dizendo, lutamos por uma democracia e há 40 anos que somos governados por "escumalha" que prometem tudo e não fazem nada.

      Mas respeito a tua opinião!

      Eliminar
  4. Durão Barroso, que foi da extrema esquerda à direita a toda a pressa, não é um cherne, é um sabidão e oportunista.
    Como dizia a minha avó, quem não o conhecer que o compre.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Podemos? Não, obrigado. Não creio que podemos. Em Portugal, o seu irmão Bloco de Esquerda, não faria nem faz melhor. E ainda bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se o Bloco de Esquerda não se tivesse desviado da sua "origem" bem que seria diferente e marcaria pontos em relação ao actual.

      Podemos e devemos tentar melhorar a situação actual e principalmente não participar na abstenção.

      Eliminar
    2. Não sei em que medida é que votando no Podemos a coisa vai melhorar. O Podemos é hostil ao povo espanhol, chegando ao ponto de defender imigrantes criminosos. No início do ano, o Podemos entrou em defesa de um imigrante muçulmano em situação irregular que matou um polícia depois de ter ameaçado explodir um bomba em Atocha, acusando "os meios fascistas de criminalizar" o alógeno.
      Em relação ao Bloco de Esquerda, não digo mais nada.

      Eliminar
    3. Não sei em que medida é que votando no Podemos a coisa vai melhorar. O Podemos é hostil ao povo espanhol, chegando ao ponto de defender imigrantes criminosos. No início do ano, o Podemos entrou em defesa de um imigrante muçulmano em situação irregular que matou um polícia depois de ter ameaçado explodir um bomba em Atocha, acusando "os meios fascistas de criminalizar" o alógeno.
      Em relação ao Bloco de Esquerda, não digo mais nada.

      Eliminar
  6. Mesmo antes do cherne já estava mal, só que ele piorou!
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade, o mal já vem de longe mas este piorou em tudo. Enfim acredito que melhores dias virão:)

      Eliminar
  7. "arquitecto do desastre" parece-me um título porreiro (sem pá) para um livro. Fatyly, admito que a minha canção preferida no momento é: não estou nem aí, embora esteja um pouco. Pouco para não me fazer mal. E porquê apenas esse pouco? Porque a distracção é a morte do artista. Que ninguém se distraia. É estar com eles sempre debaixo de olho. Oh oh!

    Tenha uma boa noite :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O livro deve ser interessante e o tal de Durão que está gordo e anafado foi um dos vários "arquitectos do desastre". Também desliguei-me um pouco e em breve terei o meu desporto e aí então é quase zero:) mas como dizes e bem ó ó ó..."debaixo de olho".

      Obrigado e uma boa noite também para ti e os teus

      Eliminar
  8. Para quem não tenha a memória curta estas verdades são inquestionáveis. Durão Barroso ficará para a história como um dos grandes responsáveis por tudo (ou quase) o que de dramático aconteceu no nosso país.
    Que esquecidas são as pessoas!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A começar por outros lá muito atrás...também este ficará na história pela negativa, concordo contigo!

      Eliminar